sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Desencanto

Desencanto

Marjorie Estiano


Não lembro direito caindo de sono falando besteira
Depois das três nem quem sou
Jogada num canto desligo a TV que me tira do sério
Saindo da perdição

Faz de conta que é princesa
Esperando compreensão
Inatingível realeza
Vai tropeçando no salão

Eu tiro o sapato batendo na cara de quem quer que seja
As coisas bem como são
Não pego a chave e saio pra rua atrás de encrenca
Ou qualquer meia atenção

Vão dizer que foi fraqueza
Um impulso sem razão
Mas é visível que a tristeza
Vai derramando pelo chão

A noite esquece quem procura um lugar pra se arrepender
Amanhã, um desencanto pode se revelar quando o dia nascer



Ps; Otimoooooo

Nenhum comentário: